Embora as enxaquecas possam começar em qualquer idade, elas geralmente começam na puberdade ou na idade adulta. Após os 50 anos de idade, as cefaleias tornam-se normalmente significativamente menos intensas ou param completamente e são três vezes mais comuns entre as mulheres.

As enxaquecas podem tornar-se crônicas, isto é, podem ocorrer durante 15 dias ou mais por mês. Enxaquecas tendem a ocorrer em famílias, mais de metade das pessoas que sofrem de enxaquecas tem familiares também afetados.

Causas

Enxaquecas ocorrem em pessoas cujo sistema nervoso é mais sensível. Para essas pessoas, as células nervosas no cérebro são facilmente estimuladas, produzindo atividade elétrica. Conforme a atividade elétrica se espalha pelo cérebro, várias funções, como visão, equilíbrio, coordenação muscular e fala, são temporariamente perturbadas.  A cefaleia ocorre quando o 5º nervo craniano (trigêmeo) é estimulado. Este nervo envia impulsos (incluindo impulsos de dor) dos olhos, couro cabeludo, testa, pálpebras superiores, boca e mandíbula, para o cérebro. Quando estimulados, os nervos podem liberar substâncias que causam inflamação dolorosa dos vasos sanguíneos do cérebro e as camadas de tecidos que cobrem o cérebro. A inflamação provoca cefaleia latejante, náuseas, vômitos e sensibilidade à luz e ao som.

Acredita-se que os estrógenos, os principais hormônios femininos, desencadeiam a enxaqueca, o que explicaria o fato dela ser mais frequente nas mulheres. Enxaquecas podem provavelmente ser desencadeadas quando os níveis de estrogênio aumentam ou flutuam. Durante a puberdade (quando os níveis de estrogênio aumentam), a enxaqueca é muito mais frequente entre as jovens mulheres do que entre os rapazes da mesma idade. Algumas mulheres têm enxaquecas antes, durante ou imediatamente após a menstruação. Com a aproximação da menopausa (quando os valores de estrogênio ficam instáveis), a enxaqueca é particularmente difícil de controlar.

Lesões na cabeça, dor no pescoço ou um problema com a articulação da mandíbula (disfunção da articulação temporomandibular), podem desencadear ou agravar enxaquecas.

No próximo artigo iremos abordar de que modo a fisioterapia pode ajudar quem sofre de enxaqueca.

Biografia

https://www.msdmanuals.com/pt-pt/casa/dist%C3%BArbios-cerebrais,-da-medula-espinal-e-dos-nervos/cefaleias/enxaquecas

Fisioterapia e a enxaqueca
Código QR
Deixe o seu comentário