Hoje, dia 15 de junho, celebra-se o Dia Nacional da Doença de Huntington. 

  A doença de Huntington (DH) é uma doença hereditária e degenerativa do sistema nervoso central que causa uma perda progressiva das células nervosas no cérebro, particularmente as que estão relacionadas com o movimento, a capacidade cognitiva e o equilíbrio emocional. 

Sintomas 

A DH manifesta-se sobretudo na faixa etária dos 30 aos 40 anos em ambos os géneros. Os sintomas apresentam grande variabilidade, no entanto importa considerar: 

  • Motores (movimentos involuntários, rigidez e contraturas musculares ou tiques faciais);
  • Cognitivos/intelectuais (alterações de memória e da capacidade de concentração ou dificuldade em organizar assuntos de rotina);
  • Emocionais/comportamentais (depressão, isolamento social, ansiedade, apatia, irritabilidade e ideias suicidas).

  Conforme a evolução da doença, surgem dificuldades na marcha e no equilíbrio que tendem a aumentar com esforços, stress ou excitação e a diminuir durante o repouso. Frequentemente a fala e a deglutição são também atingidas. 

Tratamento

 A DH não tem cura e não existe nenhuma terapêutica para impedir a sua evolução. No entanto, a medicação pode ser eficaz para minimizar os sintomas. 

Nestes casos, é aconselhável serem acompanhados por uma equipa multidisciplinar da qual faz parte o fisioterapeuta. Assim, através da realização de fisioterapia logo após os primeiros sintomas, os doentes conseguem ser independentes durante vários anos. A nossa equipa de fisioterapeutas define como objetivos da fisioterapia retardar o início dos sintomas e manter o doente autónomo e ativo durante o maior período de tempo possível. 

A Clínica do Movimento, situada em Vila Nova de Gaia, integra no seu corpo clínico especialistas que o podem ajudar. 

  Autora:  Joana Coutinho – Fisioterapeuta Lic., Mestre em Fisioterapia Neurológica 

Fontes utilizadas: MSD manuals | CUF | Jornal Público | Mayo Clinic | National Library of Medicine | Sociedade Americana da Doença de Huntigton 

Lombalgia
Fisioterapia em Pediatria
Deixe o seu comentário