Conduzir é das atividades mais perigosas que uma pessoa pode fazer e tem uma taxa de mortalidade superior a qualquer outra atividade humana frequente. Mas, para além da taxa de mortalidade, acidentes de automóvel poderão acarretar também outras lesões, com tendência a se tornarem crónicas.

Uma das mais frequentes (apesar de, na maioria dos casos, menos graves) é o golpe de chicote, que se caracteriza por um movimento súbito posterior, seguido de outro anterior, semelhante ao estalar de um chicote. Este movimento acontece depois de uma forte e súbita aceleração posterior, não esperada.

Este tipo de movimento lesivo está mais frequentemente associado a choques traseiros em automóveis, mas também pode ocorrer em quedas e alguns desportos de contacto. Este mecanismo, irá distender músculos e ligamentos, bem como lesionar articulações nas vértebras e, em certos casos, até discos intervertebrais.

Para além de dor cervical, o golpe de chicote poderá ainda provocar: rigidez e perda de amplitude de movimento, dores de cabeça, fadiga, tonturas, dormência nos braços; ou até, em casos mais raros, visão desfocada, vertigem, zumbidos e dificuldades na concentração e na memória.

A intensidade destes sintomas está frequentemente associada à gravidade do acidente. Quanto mais grave o acidente, regra geral, mais severos serão os sintomas. Existe evidência que, a intensidade dos sintomas estará também associada ao bem-estar físico e psíquico previamente ao acidente por isso, pessoas que já tinham dor cervical ou episódios de ansiedade terão sintomas mais severos e serão mais propensas a desenvolver dor crónica cervical após o acidente

Biografia

https://www.spine.org/KnowYourBack/Conditions/Injuries/Whiplash-and-Whiplash-Associated-Disorderhttps://www.webmd.com/back-pain/news/20000414/managing-whiplash-neck-pain#1https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/whiplash/symptoms-causes/syc-20378921https://www.painscience.com/articles/chronic-neck-pain-after-whiplash.php

Autor: Hélder Fonseca, Fisioterapeuta Lic., Sócio da Clínica do Movimento

Tendinopatia Rotuliana
Lombalgia
Deixe o seu comentário